terça-feira, 30 de outubro de 2012

Compensatória ambiental




Um madeireiro inescrupuloso foi demitido e saiu da floresta. Morando na cidade, desempregado, resolveu aproveitar o tempo cultivando tomates cereja em caixotes de madeira. Foi à marcenaria comprar material.

"Gostaria de um caixote de madeira compensada"

O marceneiro, que trabalhava apenas com madeira ecológica, reconheceu o sujeito.

"Então quer madeira compensada? Sabe que é de reflorestamento?"

"Sim, oras, tanto faz. Quero um caixote de madeira compensada".

O marceneiro então foi ao estoque e voltou com um caixote pesado, bem acabado, e com um carimbo de procedência na lateral.

"Olhe só! Um belo caixote, mas agora a madeira dele ainda será compensada!"

O madeireiro inescrupuloso abriu um meio sorriso e ergue ambas as mãos em sinal de quem não havia entendido.

"Hey, não queira me enrolar. A madeira já foi compensada, amolecida em vapor, posta num torno, seca, colada e aquecida. Conheço o procedimento."

O marceneiro fechou o semblante.

"Sim e não. Há outra compensação para se tornar um caixote de madeira compensada!"

"Então me mostre!"

Ele ergueu o caixote e o desceu com força na cabeça do madeireiro inescrupuloso. Dos pedaços que sobraram em sua mão passou a bater com violência nas costas do outro. E surrava a carne com veemência até o madeireiro cair no chão. Largou o toco no chão e limpou as mãos, esfregando uma contra a outra.

(╯°□°)╯︵ ┻━┻ ლ(ಠ益ಠლ)

"Eis aí uma madeira verdadeiramente compensada por todos os anos de contrabando de toras na floresta".

O madeireiro se levantou e saiu correndo. Foi até uma praça, mastigou uma porção de tomates cereja e assim enterrou sua cabeça na terra. Após seis meses, virou um enorme pé de tomate cereja. Visitado por turistas e aprovado com um selinho ecológico.