quinta-feira, 6 de junho de 2013

Entregas Delicadas

Eu faço entregas de produtos delicados por toda a cidade de São Paulo. Trabalho com isso há três anos e nunca faltei com meu serviço. O nome da empresa para qual trabalho é "Entregas Delicadas". Direto ao ponto, não é? O que carrego na minha Van branca, que é toda bonitona, adesivada com faixas onduladas verdes e vermelhas e uma bola azul que imita o sol, são coisas fantásticas e especiais.

O que entrego, pra ser bem claro, são itens que não existem, mas que existem. Hum, quero dizer, as pessoas acham que não existem, mas existem pra quem tem muito dinheiro. Por exemplo, entreguei semana passada um disco de vinil branco do rei Roberto Carlos que foi gravado em 1976, com apenas uma misera cópia! Nem o próprio Roberto Carlos se lembra deste disco. Só tem duas musicas, cada uma tem vinte minutos. O álbum se chama:

"♫Sois só, somente se, assim será ♫".


Bacanérrimo, concorda? Bom, para alguém comprar algo deste tipo é preciso saber que este algo existe. Nós, da empresa "Entregas Delicadas" somos como garimpeiros improváveis, e abrangemos o máximo de tudo. "Máximo de Tudo", essa é ótima. Aí nós especulamos prováveis interessados que queiram gastar muito por uma singularidade.

Pois é, este exemplo foi pequeno, vou dizer o que farei agora. Acabei de acordar e é sábado de manhã. Tenho uma entrega muito especial que já está  acomodada na traseira da Van. Essa entrega é particular, direto ao meu amor, minha namorada, Clara Lina. Daqui da sede da empresa, no centrão velho, vou guiar por pelo menos quarenta quilômetros até a zona sul. O inconveniente, mesmo já acostumado, é ter que dirigir com extrema lerdeza. Material delicado é assim mesmo, mas valerá a pena. O que tenho aqui são quatro réplicas de corações fumegantes de Boitatás. Saca, Boitatá?

Segundo a wikipédia: "No folclore brasileiro, o Boitatá é uma gigantesca cobra-de-fogo que protege os campos contra aqueles que o incendeiam. Vive nas águas e pode se transformar também numa tora em brasa, queimando aqueles que põem fogo nas matas e florestas." Então, é mais ou menos isso, mas não tão místico assim. São belas serpentes enormes que gostam de viver no meio do fogo, coisa louca mesmo. Não matamos os animais pra arrancar os corações, não, não mesmo. Boitatás cospem o tempo todo corações fumegantes, é só estar no lugar certo pra coletar alguns.

Esses que vou presentear minha namorada, e são realmente magníficos, estão colocados no meio de tubas de vidro de cristal e dessas tubas sai um vapor esverdeado o tempo todo, sem parar, durando pelo menos uns dois anos. Os corações têm o mesmo formato que um coração humano, mas  se parecem com carvão, cheios de rachaduras incandescentes. Estou empolgado, pois é um presente-surpresa.

Desço o quarteirão, pego o primeiro semáforo vermelho, de uma série longa e tediosa. A maldição do farol vermelho. Pelo menos hoje, que tenho que andar devagarzinho, quase nem é um problema. Fica só o costume de suspirar quando a  luz fica vermelha. Giro o "dial" do rádio e bingo, a pedida do dia.   


"...neste sabado de manhã muito, muito, muito ensolarada, nós vamos embalados com a contagiante: You Really Got Me, The Kinks..."

♫Girl, you really got me goin'
You got me so I don't know what I'm doin'
Yeah, you really got me now
You got me so I can't sleep at night♫

http://www.youtube.com/watch?v=dSQOVlkaJT4

♫See, don't ever set me free
I always wanna be by your side
Girl, you really got me now
You got me so I can't sleep at night♫

Boa! Nada melhor que dirigir com a alma elétrica dançando no teto da Van. Mas não vou empolgar, pois a traseira está leve e assim o balanço do meu quadril balança as tubas. Elas estão amarradas em xis com um elástico macio, mesmo assim, se bobear "Pláft, Créck". É este exato barulho que  to ouvindo por cima da música, mas graças a Deus está vindo dessa doceria judaica na esquina. Quatro garotos correm com os chinelos estourados, deixando para trás a vidraça também estourada, segurando potes com geléia de amora, aparentemente fabricada sob supervisão rabínica (eu conheço de longe os selos dourados de uma fabrica de alimentos Kasher). Um aparente reflexo da violência no centro de São Paulo é o fato de um homem baixinho com roupas largas e asseadas sair da doceria com uma espingarda atirando como um maluco na direção dos aparentes trombadinhas. Atirando na direção mais ou menos do corpo leve deles, que também é a direção da minha sagrada Van com faixas onduladas verdes e vermelhas e uma bola azul que imita o sol, vixe Maria! O tiro eu não consigo saber pra onde foi, mas fora balançar com tudo meu transporte, faz um ruído tipo "Plonk Plak" e não sei mais nada que o farol aberto é minha deixa para sair fritando o pneu, buzinando e rezando baixinho pra nada se quebrar.

A Van é toda fechada na parte traseira, eu não consigo visualizar a situação das coisas. Acho que é a única falha que existe nela. Outras falhas são por raros descuidos meus, tipo calibrar pneus, trocar óleo, trancar portas, coisas não tão absurdas. Este susto me impulsiona pra pisar mais um pouco e cair na avenida marginal, pra cortar de vez o trânsito e a loucura das tripas secas do bairro. Quero ouvir mais The Kinks. É difícil repetir esse tipo de som. Deveriam, pois não dá pra aguentar Sultans Of Swing três vezes a cada duas horas, agora The Kinks que é curtinha, até dá.
                                                               
Chego ao destino. É um pouco complicado manobrar na rua da Clara. Bairro tranquilo e de ruas estreitas. A mão única me faz parar de ré na garagem que fica aberta. Falsa sensação de segurança por causa do vigia da guarita lá na ponta da esquina. Não vejo muita utilidade, bandido se quiser vai render o vigia e fazer “a limpa”. To sempre reclamando deste ponto. Ainda bem que a garagem dá altura pra Van. Duas buzinadas e lá vem ela graciosa no vestido floral e sua corrente de cabelo do Papa (tinha tanta corrente de cabelo do Papa no estoque que eu peguei umazinha pra presentear). Ah, sim, eu não costumo fazer isso, sempre pago o que pego. Mas coisas similares a caneta e bijuterias baratas viram até um fardo para a logística. Acho também que dou presentes em demasia. Será que presente demais é mal? Bom, são sempre bem recepcionados!

Beijo longo e abraço apertado, sorrio como criança e levo-a até a traseira, conto até três e “tcharam”! O grito de susto que a Clara dá é acompanhado pelo meu. Entendi agora o barulho de "Plonk Plak" que ouvi no meio dos tiros lá no centro. Foi a porta da Van (que eu esqueci de trancar) sendo aberta e fechada as pressas pelos “trombadinhas” da geléia. Eles mal esboçam reação com a descoberta, tragando a fumaça dos corações de Boitatá. As tubas todas lambuzadas de geléia e um cheiro forte de incenso.

“Querido, vou pegar o presente que tu me deu no último dia dos namorados, que quê tu  acha”?

Eita, presente bem dado rende fruto. Estava mesmo curioso pra poder usar este mimo que me custou uma pequena fortuna.

“Pega ele lá no cercadinho então, Clarinha”.

Os corações de Boitatá brilham intensamente a cada fungada das bocas rachadas. Os garotos comemoram em Alfa o esconderijo inusitado que arrumaram. Não tem problema, não. Este que está vindo no colo da Clara, com terninho de risca de giz e gravata borboleta, é um mini político das Ilhas Caiman. Deve medir uns quarenta e dois centímetros. Transporta qualquer coisa para contas seguras e sigilosas. Só precisamos alimentá-lo com endívias recheadas com creme de milho e camarão. Ele ama endívias mais do que ama um trambique. De onde ele vem existem muitos mini políticos de quarenta e dois centímetros. Obviamente a existência destas figuras é negada e eu paguei uma fortuna pra ter o tampinha conosco por uns meses. Tipo, estamos pensando na possibilidade de morarmos juntos e o mini político vai nos ajudar a reter uns bons dólares.

“Pessoal, vamos fazer uma troca rápida?”

Subo na Van e tomo cada uma das tubas das finas mãos sujas, com o máximo de cuidado pra não quebrá-las e ao mesmo tempo exercendo a firmeza assustadora de um chute na canela de cada um  destes vermes folgados. Não tem nada de “Aí tio, porra!”. Oras, vão se "foderem"! Até parece que vou dar uma de mole depois desta invasão. Desço da traseira e os observo encurralados no canto, conformados com a iminente chegada da policia. A Clara coloca com cuidado o mini político das Ilhas Caiman para dentro do veiculo. Ele ajeita o terninho, funga, estala as mãos e pergunta:

“Estes que aqui estão, vão para o cofre?”

“Pode colocar, mas fique atento ao prazo de validade, se puder trocar todos no mercado de ações humanas, eu ficarei grato!


Fecho a porta da Van ♫"pra não ver passar o tempo. Sinto falta de você. Anjo bom, amor perfeito no meu peito. Sem você não sei viver"♫. Citando o rei Roberto, enquanto o veiculo chacoalha cheio de grunhidos. É difícil transportar pessoas pelo Malote da Ganância (Que é um grande invento pra lavar dinheiro em toda parte do planeta). Foco agora no carinho da minha Clara, que, abraçada nas tubas com corações fumegantes, me convida para desfrutar deste dia maravilhoso. Entregas delicadas, agora só na segunda feira.