quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Mano do céu - Favelamiomáquia.


Domingo - 14:00 - Morro da Bombinha Verde - Churrasco do Bolão.

"No samba ela me disse que rala..."

Parô, parô! Abaixa o som aê, Guevara.

Qual a bótica, Zidener? Parô pusq?

Bolão ergueu o triplo queixo enquanto virava o espeto de alcatra. Viu o pequeno alvoroço no meio da laje. A fumaça subindo forte.

A tia Hebe tá tribuchando no chão.

A tia Hebe tremendo e da boca a farofa  metralhada pro alto. Os caracóis alourados dançando no chão.

Chama lá o doutor médico, Pituzinho. Corre, caceta!

Afasta, irmão. Afasta.

Pastor Aparecido foi pisando e marcando território, de modo a abrir um circulo no contorno da tia Hebe.

Ela tá engasgada com os osso do frango, pastor.

Afasta, irmão.

Aguenta, que Pituzinho foi chamar ajuda.

O pastor ergueu a mão rija pro alto e desceu-a violentamente. Era seu sinal de silêncio. E a mulher agitando no chão chapeado de cimento.

Isso é demônio, irmãos.

Deus é maior, pastor.

Sangue de Jésu, tudo poderoso.

Dj Guevara ameaçou um rap das antigas mas cortou a função, tão logo Bolão lhe fez um sinal negativo.

Então, pastor, vai ti partir pra zap e sete copa na tia?

Vou, Bolão. Vou dar início ao ritual do exorcista poderosíssimo acaju.

Treze "Pai Nosso" e duas caipirinhas depois, o pastor juntou o material pro rito.

Falta o vinagrete.

Manda o vinagrete na mão do pastor, Pituzinho. Espera! Porra, Pitu! Tu não foi não buscar o médis?

Saca, véi, nem tinindo ele tava na goma, aí tal e pá, fiquei sabendo dos rolê na praia com altas gata em teto de zinco quente.

Saquei. Altas referências.

E todo mundo sacou e era muita sacanagem. Naquele momento no entanto, a medicina não salvaria uma pobre mulher possuída pelo escalão do inferno, como afirmou o pastor Aparecido.

E não só é belzebu, como conde Dooku e salsi fufu. Isso é influência da televisão.

Começa a bodega, pastor. Alcatra ressecada é de foder.

E Bolão tacou mais carvão.

Em nome do todo poderoso sangue de Jesus, do trono de Yeshua, parta dessa tia Hebe, dragão da inflação, boleto atrasado do inferno.

Girou de pé-dois o pastor, suando e gritando. Parou, pegou o vinagrete.

Olha que isso aqui tá muito bom, bééél zébius.

A possuída abriu meio olho negro Coala, farejou o ar e blasfemou pesadamente.

Cebolete, hijo de puta madre.

O pastor agarrou a panela com farofa, salpicou-a no ar, abriu a pitu, assustando Pituzinho, bebeu, cuspiu a pinga, misturando-a na farofa, que caía com leveza, e neste milímetro de segundo triscou um fósforo Guarany que materializou-se no seu polegar, como prova da divindade presente naquela churrascada, e a chama explodiu.

Bota o som de Deus, irmão Guevara, que a tia Hebe foi lavada pelo sangue do amor.

Aleluia, pastô.

"Sessenta e sete patine..."

E todos comemoraram chinelando a estrutura, com a tia Hebe deitada, verde limão da cara, recuperando-se do engasgo, toda sardenta da queimadura farofenta à qual sofrera.

Saiu fraldão suculento, gente familia, gente boa.

E Bolão, um brincalhão, um momo por natureza, brincou com o pastor enquanto girava uma corrente de linguiça apimentada.

Essa é do capetão. É tipo o inferno são os outros, pastor. HÁ há há.

O pastor, escolado na escola da bobice que era, sacou o trezoitão.

By the power of Rá.

Fim de domingo.